De que nós vivemos

 

Santuário – Lugar de Aliança

União Apostólica Feminina de Schoenstatt, Vallendar, Santuário

O homem não pode viver apenas do espiritual, pois é um ser que possui também faculdades sensitivas. Deus se adapta a nós. Ele permite que o experimentemos com corpo e alma. Presenteia-nos com a sua presença de forma visível e palpável em lugares sagrados. Ali ele quer unir-se a nós.
Assim o fez também no dia 18 de outubro de 1914.
Todo aquele que conhece Schoenstatt entra em contato com o Santuário. A mensagem deste lugar sagrado é: Deus está presente, aqui e hoje! Sua mão está presente, aqui e hoje!
Podemos “levar” este lugar de aliança para nossa própria vida. A graça do Santuário se multiplica.

Nosso Santuário Lar

Não há por acaso uma grande tensão quando se quer viver inteiramente para Deus e estar inteiramente disponível para os homens, no mundo? Esta tensão faz parte da nossa vocação.
O Santuário Lar nos ajuda a transformá-la em energia. O Santuário de Schoenstatt se estende até a minha vida diária. A cruz, a imagem de Maria e outros símbolos religiosos identificam este lugar sagrado na minha casa.
No Santuário Lar começo o meu dia. Ali me recolho para os momentos de silêncio, ali entro em contato com a fonte da minha vocação e da minha missão. Dali eu parto para as minhas atividades.

Vida concreta

• Quando tinha 39 anos, meu médico me disse que a minha doença era incurável e que nunca mais poderia exercer a minha profissão. Depois de uma longa internação hospitalar, voltei para casa sozinha e debilitada. Eu devia ficar muito tempo deitada. Durante as férias todos meus amigos viajaram, de modo que meus contatos se limitavam às visitas ao médico e a ligações telefônicas ocasionais.
Em toda esta aflição e solidão, abandonada a mim mesma, a Aliança de Amor com Maria tornou-se para mim a força sustentadora. Em Maria experimentei a proximidade e a confiança que buscava, que me libertou de todas as angústias em relação ao futuro e que ainda hoje me motiva. Nas horas obscuras recordo com gratidão este tempo tão repleto e, na oração frente à imagem de Maria, experimento sempre de novo sua proximidade e sua ajuda.


Em meu apartamento tenho um lugar com uma cruz, uma imagem da Nossa Senhora de Schoenstatt e alguns símbolos pessoais. Este lugar me é muito caro e valioso. É meu Santuário Lar. Ali está o centro da minha vida.

Neste lugar faço a minha oração,

ali me detenho por um tempo mais prolongado,
reúno forças para a vida diária e o apostolado,
a este lugar levo minhas preocupações e aflições,
ali me apresento com minhas alegrias e minha gratidão por algum trabalho bem sucedido,
e ali ofereço também os problemas e aflições de meus irmãos.

Em meu Santuário Lar, Deus está especialmente próximo de mim.

Ali recebo ajuda e consolo,
ali me sinto aceita e amada,
ali estou abrigada, me sinto em casa.


Aceitei o pedido de preparar crianças para a Primeira Comunhão. Nos últimos anos me convidaram para colaborar no Centro de Schoenstatt a acompanhar espiritualmente idosas e atuar na catequese de crianças.
No Santuário Lar peço diariamente as forças e a graça que necessito para isto. Ali entrego à Mãe de Deus as minhas preocupações e intenções, minhas decepções, porém também o louvor e a ação de graças pelos sinais visíveis da ação bem sucedida, dádiva da Divina Providência.

União Apostólica Feminina de Schoenstatt, Santuário, Coenaculum, Jubileu

Cenáculo naquele tempo e hoje

Maria foi o centro e a Mãe da Igreja primitiva no Cenáculo histórico, na sala da Última Ceia em Jerusalém (cf. At 1,12ss). Reunida com os Apóstolos e as mulheres em oração, ela implorou o Espírito Santo. Sua vinda foi o primeiro Pentecostes. Somente através dos dons do Espírito Santo, a Igreja primitiva se tornou capaz de reconhecer a missão de Cristo e, com coragem, dar testemunho dele.

O acontecimento do Cenáculo continua. A Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt suplica no Santuário o Espírito Santo para nós hoje.
Vivemos em uma situação de Cenáculo como outrora os Apóstolos. Nas dificuldades do nosso tempo precisamos e esperamos um novo Pentecostes. Isto vale para cada cristão individualmente, bem como para toda a Igreja.
Pedimos para que nos seja concedido o espírito de Cenáculo: espírito mariano, espírito de oração, espírito de comunidade.
Acreditamos que nos serão concedidos frutos do Cenáculo. Maria intercede para nós os dons e frutos do Espírito de Deus. Ela nos educa para sermos pessoas missionárias e apostólicas. Ela une os corações em uma Família do Pai. E Maria concede estas graças especiais a cada um que visita com fé o Santuário Cenáculo.

A experiência do Cenáculo

Precisamos do Espírito Santo para nossa vida no meio do mundo e para nossas decisões de cada dia. Como comunidade experimentamos o Santuário junto à nossa Casa Central em Schoenstatt como um Cenáculo, um lugar da atuação do Espírito Santo. Por isso lhe demos o nome de “Cenáculo do Pai para a Família do Pai”.

A ação do Santuário encerra mais do que um lugar visível, uma construção de pedras. Nele se torna visível uma rede de Santuários. O núcleo mais interno desta rede é aquilo que nosso Pai e Fundador chamou de “Santuário Coração”. Eu posso crer que Deus encontrou um lugar singular de sua presença: meu coração. Isto dá um sentimento de vida totalmente novo. A partir desta realidade é possível vencer a vida. O Cenáculo se encontra em todo lugar, porém, de modo especial em meu coração.

União Apostólica Feminina de Schoenstatt, Santuário-Lar